Quando se anestesia a consciência

Quando se anestesia a consciência
DuReis Oliveira

Herodes «carregava» dentro de si essa culpa e «procurava ver Jesus para se tranquilizar, sentia remorso».

«o remorso da consciência», não é «um simples recordar», mas «é uma chaga! Uma ferida que nos fere quando agimos mal». Mas esta chaga está «oculta, não se vê; nem sequer eu a vejo, porque me habituo a levá-la comigo e depois anestesia-se». Está dentro de nós e quando «dói, sentimos o remorso». Nesse momento «não só estou consciente de ter agido mal, mas sinto: sinto-o no coração, no corpo, na alma, na vida». É esse o instante em que temos a «tentação de cobrir» a dor «para deixar de a sentir».

Perante os «remorsos da consciência», alguns procuram eliminá-los, escondê-los e até «anestesiá-los», cobrindo-os com outras culpas. Mas para «sarar» as «chagas do coração e da alma» é preciso «revelar a verdade» e ter «a sabedoria de se acusar a si mesmo»

 

Papa Francisco, Quando se anestesia a consciência, 28/09/2017.
Por Padre Agostinho Cruz

 

Publicidade